domingo, maio 20, 2012

Teoria dos Sistemas


Teoria dos Sistemas


Ludwing Von Bertalanffy

Desenvolvida pelo alemão Ludwing Von Bertalanffy na década de 1950, tem como objetivo classificar os sistemas e de que forma seus componentes se organizam e o padrão de comportamento de cada categoria.





Conceito

"Conjunto de elementos interdependentes e interagentes ou um grupo de unidades combinadas que formam um todo organizado”. Sistema é um conjunto ou combinações de coisas ou partes, formando um todo complexo ou unitário”.
(Chiavenato p.545)

“Sistema é um todo complexo ou organizado; é um conjunto de partes ou elementos que formam um todo unitário ou complexo”.
(Maximiano p.356)

Características

O sistema é um conjunto de unidades reciprocamente relacionadas. Decorrem dois conceitos: o de propósito (ou objetivo) e o de globalismo (ou totalidade). Esses dois conceitos retratam duas características básicas do sistema.

a) Propósito ou Objeto – as unidades ou elementos, definem um arranjo que visa sempre um objetivo a ser alcançado.

b)  Globalismo ou Totalidade – todo sistema tem uma natureza orgânica, pela qual uma ação que produza mudança em uma das unidades do sistema, deverá produzir mudanças em todas as suas outras unidades.

O termo sistema é empregado no sentido de sistema total. Os componentes necessários à operação de um sistema são chamados subsistemas. A hierarquia dos sistemas e o número de subsistemas dependem da complexidade do sistema.

Tipos de Sistemas

 Os tipos de sistemas são:

a)    Os sistemas podem ser físicos ou abstratos:

1.    Sistemas físicos ou concretos: São equipamentos, máquinas, objetos, coisas reais, ou seja, “hardware”.

2.    Sistemas abstratos ou conceituais: São os planos, as ideias, as hipóteses, são chamadas de “software”.

b)    Quanto sua natureza, os sistemas podem ser fechados ou abertos:

1.      Sistemas fechados: Não recebem influência do ambiente e não influenciam o ambiente.

2.      Sistemas abertos: Trocam matéria e energia regularmente com o meio ambiente. São adaptativos, isto é, para sobreviver devem reajustar-se constantemente às condições do meio.



Fonte: (Chiavenato p.552)
MODELO GENÉRICO DE SISTEMA ABERTO


Parâmetros dos Sistemas




Entradas ou insumo (input) – é a força ou impulso de arranque ou de partida do sistema que fornece o material ou a informação para a operação do sistema.

Saída ou resultado (output) – é a consequência para a qual se reuniram elementos e relações do sistema.

Processamento ou transformador (trhoughput) – é o fenômeno que produz mudanças, é o mecanismo de conversão das entradas em saídas.

Retroação ou retroalimentação – é a função de sistema que compara a saída com um critério ou padrão previamente estabelecido.

Ambiente – é o meio que envolve externamente o sistema. O sistema e o ambiente encontram-se inter-relacionados e interdependentes.

 Uma organização é um sistema composto de elementos ou componentes interdependentes.

A Organização como um sistema aberto

A organização é um sistema criado pelo homem e matém uma dinâmica interação com o meio ambiente, sejam clientes, fornecedores, concorrentes, entidades sindicais, órgãos governamentais e outros agentes externos. É um sistema integrado por diversas partes ou unidades relacionadas entre si, que trabalham em harmonia umas com as outras, com a finalidade de influenciar o meio externo e por ele ser influenciado.

Características das Organizações como Sistemas Abertos

Comportamento probabilístico e não determinístico: as organizações são sistemas abertos, são afetadas por mudanças em suas variáveis externas desconhecidas e incontroláveis em seu comportamento.

As organizações como partes de uma sociedade maior e constituída de partes menores: as organizações são vistas como sistemas dentro de sistemas.

Interdependência das Partes: a organização é um sistema social com partes independentes, mas inter-relacionadas.

Homeostase ou “Estado Firme”: a organização alcança um estado firme – ou seja, um estado de equilíbrio quando satisfaz dois requisitos: a unidirecionalidade e o progresso.

Fronteiras ou Limites: é a linha que demarca e define o que está dentro e o que está fora do sistema ou subsistema. Essas fronteiras não existem fisicamente.

Morfogenese: o sistema organizacional tem a capacidade de modificar a si próprio e a sua estrutura básica

Resiliência: é a capacidade de superar o distúrbio imposto por um fenômeno externo




Fonte: (Chiavenato pag.552)




Principais representantes e suas contribuições

Edgard Schein – propõe aspectos que a teoria de sistemas considera na definição de organização como sendo um sistema aberto, com objetivos, é um conjunto de subsistemas em interação.

Daniel Katz e Robert L. Kahn – desenvolveram um modelo de organização através da aplicação da Teoria dos Sistemas à teoria administrativa. No modelo proposto, a organização apresenta as características típicas de um sistema aberto.

Decorrências para a administração atual
Durante a Revolução Industrial, com o mecanicismo o homem era visto como parte integrante da máquina, era visto como um “bovino”, porém, com a automação provocada pela Cibernética, muitas tarefas que cabiam no cérebro humano passaram para a máquina. O computador tende a substituir o homem em diversas atividades, são elas: a automação e a informática.

Bibliografia

CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 6ª Ed. Rio de Janeiro : Campos,2000.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amauri. Teoria geral da administração: 4ª Ed. – São
Paulo : Atlas, 2004.

2 comentários: